Direto do Puerpério…

Ontem, na primeira aula com o Alexandre Coimbra Amaral, me deparei com a definição de puerpério pelo dicionário Oxford: “período que decorre desde o parto até que os órgãos genitais e o estado geral da mulher voltem às condições anteriores à gestação.” 😳

Que vazio de significado vemos nesta descrição que negligencia o aspecto psicossocial do puerpério e desvalida a transformação da Maternidade pedindo a volta desta Mulher ao seu “normal”. 🙈

Todos tentam colocar a Mãe recém-parida aquém da metamorfose que está acontecendo, uma vez que, tudo ao redor colapsa quando algum integrante do todo está em profunda transformação. O Marido quer a companheira “de volta”, a Mãe da Mãe alerta sobre a necessidade de usar a cinta pós-parto para a barriga “voltar”, as amigas sentem a sua falta e querem “de volta” a sua disponibilidade, o mercado de trabalho não pára deixando claro que a sua “volta” não pode demorar… 🔄

Eu me lembro que nos primeiros dias sendo Mãe, com o agravante de ter sido Mãe de UTI, eu me sentia OCA por dentro… como a Maíra Duarte muito bem colocou na aula 0, um corpo vazio e vazando, tentando suportar o não saber mais quem eu era e sem tempo e clareza para descobrir em quem eu estava me transformando. Foi crucial ter o meu Marido e a minha Mãe ao meu lado, e ainda assim, muitas vezes eles não puderam ser abrigo para uma falta que nem eu entendia. 🤷‍♀️

A romantização da gestação e a expectativa para o parto dão lugar a um vácuo de difícil digestão… e, em meio a tanta oscilação, de vulnerabilidade e potência, a Maternidade vai se consolidando dia após dia… 🙌🏻

Quanto tempo dura o Puerpério? Só a Mãe da vez, a que o vivencia neste exato momento pode dizer… ou seja, cada caso é um caso, cada pós parto é um pós parto, até mesmo para uma “mesma” mulher. 

A Maternidade coloca luz em muitas sombras varridas para debaixo do tapete, é dolorido sim, mas, lindo de viver e muito potente este processo de redescoberta da mulher! Talvez, uma maior preparação com o pós-parto seja a chave… não estou falando só do freezer cheio, estou falando também de uma rede de apoio preparada… lavar a louça ajuda, mas, olhar pra esta Mãe e tirá-la da invisibilidade: TRANSFORMA! ✨

Só existe uma certeza: aquela mulher NUNCA MAIS será a mesma… ela e a família terão que elaborar os lutos e comemorar os ganhos que isto traz para continuarem caminhando juntas. E, antes de me despedir, por favor não seja portador da tão conhecida “mas você está feliz, né?”… seja continente para o seu choro e platéia para o seu renascimento! ⛈🌈

Inspiração: Instituto Aripe / Psicologia do Puerpério

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + 13 =