Criança interior + Imagem Corporal e Gestação?!

Ontem assisti uma live maravilhosa da Dani Silvares, profissional que trabalha lindamente o conceito de criança interior. 😍

E hoje, pesquisando sobre Imagem Corporal e Gravidez (tema da minha tese de Mestrado), enxerguei mais uma possibilidade de tomarmos as rédeas das nossas vidas em nossas mãos unindo o que escutei ontem com o que estou lendo agora. 🤔

Vou explicar melhor… muitas vezes ficamos presos ao nosso roteiro de “vítima das circunstâncias” e perdemos uma oportunidade incrível de elaborarmos o que aconteceu lá atrás para trilharmos o caminho que desejamos alcançar lá na frente. 🔙🔛🔜

Toda e qualquer dor é legítima e merece ser validada, mas, enquanto ficarmos presos nela, não caminharemos. 🤷‍♀️

O caminho do autoconhecimento nos permite fazer diferente quando conhecemos as nossas feridas, identificamos o que pode ser gatilho para mergulharmos nelas outra vez, e então, escolhemos fazer diferente… evitando esta rota sem saída. ❌

Em um exemplo prático, o ganho de peso normal e esperado em uma gestação pode ser gatilho para muitas mulheres, especialmente, para as que tem no presente ou no passado histórico de conflitos de imagem, transtorno alimentar, comer transtornado, entre outros. 🤰🏼

Portanto, conhecendo o seu “calcanhar de Aquiles”, você pode tomar as rédeas da situação e solicitar, por exemplo, que você seja pesada de costas nas consultas pré-natais. Assim, como você pode e deve dividir com o seu/a sua obstetra e equipe a sua história e pedir que eles sejam cautelosos ao conversar com você sobre ganho de peso, curvas, números, e etc. 🗣

É verdade que como profissionais “da saúde”, estas pessoas deveriam ser capacitadas para identificar qualquer possivel fator de risco, mas, como nem sempre lidamos com “o melhor dos mundos”, façamos a nossa parte, POR NÓS! 💪

A nossa criança ferida está dentro de nós, mas, podemos e devemos acolhê-la e nos colocarmos na vida hoje como os adultos que somos. 👧🏻➡️👩🏻

Ao invés de esperar tanto do outro (mesmo que este tanto, às vezes, seja o mínimo), vamos ocupar os espaços que nos cabem e verbalizar o que o nosso corpo silencia! 🤐

Sei que não é fácil, e que o “esconder” é parte inerente de um incômodo com o corpo/alimentação, mas, estou aqui para te ajudar se fizer sentido para você! 🫂

Conte comigo! ❤️

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × quatro =